“Meu marido estava condenado à morte”
31 de julho de 2021
Corria risco de ficar cega
1 de setembro de 2021

Um basta na ansiedade

Foto: Arquivo pessoal

Amanda Pieranti


Comparecer a um evento importante; ser convocado para entrevista de emprego; enfrentar uma prova de concurso ou estar pronto para aquela viagem planejada. Quem nunca teve ansiedade diante de situações como essas? Mas especialistas alertam: quando esse sentimento sai do controle e passa a ser exagerado, frequente e prejudicial à qualidade de vida, é chamado de transtorno de ansiedade. Então, é hora de procurar ajuda.

Embora muitos nem saibam, existe diferença entre estar e ser ansioso. “É natural do ser humano ter certo grau de ansiedade em alguns momentos. No entanto, se a pessoa tem pensamentos acelerados, preocupação constante e excessiva, muitas vezes com coisas que ainda nem aconteceram, e ela já se antecipa ao futuro, é momento de parar, observar e tratar”, explica a psiquiatra Carla Mendes, ao falar sobre o distúrbio. “E, quando chega ao extremo, é diagnosticado como Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG)”.

Números alarmantes

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), esse transtorno afeta a saúde mental de, aproximadamente, 19 milhões de brasileiros, ou seja, 9,3% da população. É quase o triplo da média internacional (3,5%). O fato coloca o Brasil em primeiro lugar no ranking de vítimas desse mal.

Os números também põem a covid-19 como um dos fatores agravantes dessa situação. “Antes da pandemia, eu atendia muitos pacientes ansiosos. Depois dela, aumentou significativamente o número de casos”, confirma a especialista. Os dados comprovam: o levantamento do Tracking the Coronavirus, realizado pela Ipsos, líder global em pesquisa de mercado, revela que quatro em cada dez brasileiros (41%) sofrem dessa patologia em decorrência do surto do novo vírus.

Em segundo lugar, está o México (35%) e, em terceiro, a Rússia (32%). Nos Estados Unidos, esse transtorno atinge, aproximadamente, 15% dos adultos. O fato agravado com a pandemia fez crescer em 34% o uso de remédios controlados contra a ansiedade no país.

No país norte-americano, de acordo com o Manual de Informações Médicas do MSD (Merck Sharp & Dohme), esse é o tipo mais frequente entre os problemas de saúde mental. 


No limite do pânico

De acordo com Carla Mendes, se os sintomas de uma crise de ansiedade forem potencializados, além do TAG, podem ocorrer outros distúrbios, um deles é a síndrome do pânico, na qual a pessoa apresenta dificuldade de respirar, sensação de irrealidade; suor frio, boca seca, pensamentos catastróficos e medo iminente da morte. “Trata-se de um subtipo de ansiedade, assim como a agorafobia, dificuldade de permanecer em ambientes cheios ou lugares fechados, pois esse cenário parece ameaçador, gerando bastante aflição”.

Foto: Arquivo pessoal

 Sintomas eram de infarto

Maria José Araújo foi vítima da síndrome do pânico. “Sempre fui muito ansiosa. Só de pensar na possibilidade de chegar atrasada à consulta médica, por exemplo, já ficava com alto grau de ansiedade”.

A primeira crise aconteceu há 14 anos. “Estava trabalhando e senti algo muito estranho. O coração começou a acelerar, o corpo parecia estar paralisando; senti meus lábios enrijecendo e as mãos entortando. Entrei em desespero, porque nunca havia sentido aquilo. Era como se o ar estivesse indo embora, e eu, realmente, fosse ter infarto e morrer. Pedi socorro”. No hospital, nada foi constatado. “Fui encaminhada para o atendimento psiquiátrico e, então, tive o diagnóstico”. 

Maria José iniciou o tratamento com ansiolíticos e outros medicamentos próprios para ansiedade e tensão. “Mesmo assim, continuava tendo forte mal-estar. Vinham as sensações de desmaio, morte, angústia e parecia ser o meu último minuto de vida”.

O medo de viver aquilo novamente a rondava o tempo todo. “Quando a crise vinha, eu me jogava debaixo do chuveiro de água fria, de roupa e tudo. Era algo terrível. Jamais saía à rua sem meu remédio, pois tinha receio de passar mal. Foram anos assim. Clamava muito ao Senhor para ser liberta desse mal”. 

Foto: Arquivo pessoal

Na época, Maria José desconhecia o poder do Senhor, até visitar a Igreja Internacional da Graça de Deus. “Ali, eu me encontrei e estudei as Sagradas Escrituras. Aprendi a confiar em Jesus e percebi: o pânico era uma porta aberta para Satanás”. 

Com Cristo, ela foi vencendo o distúrbio. “Recusei ter minha mente atormentada pelas palavras de derrota. Foram muitas noites combatendo o mal com a Palavra de Deus. Citava os versículos bíblicos relacionados ao problema enfrentado e surtia efeito na hora. O diabo ia embora, e eu me sentia melhor”.

Maria está bem há seis anos. “Trabalho normalmente, sinto segurança e nunca mais tive crise. Depois que confiei totalmente no Senhor, alcancei a minha libertação”. 


Ela se tornou compulsiva

Quando Franciele de Souza Batista se libertou do uso das drogas ilícitas e do consumo de bebida alcoólica, veio a ansiedade, associada à depressão. O quadro durou oito anos. “Ficava ansiosa pela falta do entorpecente, e meu comportamento mudava: irritava-me à toa, ficava nervosa e tinha uma fome compulsiva. Era como se a comida fosse a minha droga”.

Ela teve de tomar medicamentos controlados para enfrentar o problema. “O psiquiatra me passou dois tipos de remédios. Mas, após certo tempo, eles deixaram de fazer efeito”.

Franciele conheceu a Igreja da Graça, onde permaneceu clamando ao Altíssimo pela cura. “Também assistia aos programas do Missionário pela televisão e via os testemunhos de pessoas libertas dos mesmos males. Percebi o agir de Deus na vida delas e aprendi: Jesus levou sobre Si as nossas enfermidades”.

Foto: Arquivo pessoal

Um dia, Franciele passou muito mal. “Fiquei acelerada, e meu braço foi ficando dormente. Decidi parar os remédios, pois eu me sentia cada vez mais angustiada e com dor no peito. Comecei a orar e declarei: dali em diante, só Deus poderia me curar e determinei minha libertação. Fiz os propósitos do copo com água ungida ao Senhor, e os sintomas foram desaparecendo. Hoje, sou uma pessoa calma, tranquila. Fui curada e liberta pelo poder de Jesus”.


Livre para sempre

Renata da Conceição Rocha enfrentou o TAG em 2018, quando a crise financeira atingiu seus negócios no ramo de venda de móveis. Ela só avistava o cenário de falência e dívidas. 

Foram vários surtos, e a vontade de morrer era grande. Somente na Igreja Internacional da Graça de Deus livrou-se desse mal “para sempre”, como gosta de afirmar. “Graças ao Senhor, vai tudo muito bem e, conforme a Bíblia declara, foi para a liberdade que Cristo me libertou. Então, nunca mais vou passar pela mesma situação. Veio a pandemia, e eu estou saudável”.

Foto: Arquivo pessoal

Em tempos de falência, a prosperidade fez morada no lar de Renata. “A nossa loja era dentro de um shopping. Em abril de 2020, o estabelecimento fechou as portas de vez, bem no pico da pandemia. Deram a nós, lojistas, 15 dias para retirarmos as mercadorias. Nós nos vimos na rua, de uma hora para outra, sem nada. Mas era o momento de crer e praticar tudo o que aprendi”.

Com os olhos da fé, o extraordinário aconteceu. “Pouco tempo depois do ocorrido, vimos o anúncio de uma loja para alugar, e Deus nos direcionou em tudo. Sequer precisamos fazer obra; a proprietária nos dispensou do pagamento das luvas e ainda nos deixou ficar três meses sem pagar aluguel”. 

Agora, a vida da comerciante é só de vitória. “Temos prosperado mesmo nesse cenário de instabilidade econômica, causado pelo coronavírus, e vendemos duas vezes mais do que antes. O Senhor tem honrado, porque, em vez de olhar para as dificuldades, olho para Jesus, e a providência dEle é instantânea”.


Sinais de TAG:

A psiquiatra Carla Mendes destaca alguns dos sintomas do Transtorno de Ansiedade Generalizada. Se, há mais de quatro semanas, você ou um conhecido apresenta alguns dos sinais listados a seguir, procure ajuda. 

Preocupações excessivas; pensamentos acelerados; insônia; aumento ou perda de apetite; dificuldade de concentração; medo de adoecer; pensamentos de catástrofes; sudorese; sensações de falta de ar, tontura e desmaio; dores no peito (sensação de infarto), de cabeça, no corpo, musculares; alterações no intestino e no corpo; zumbido; tontura e alteração na menstruação (na mulher).


Oração, um remédio eficaz

Foto: Arquivo pessoal

A Pra. Juliana Viana, da IIGD, adverte: “Esse transtorno afeta a alma; é uma inquietação no espírito. A Bíblia declara em Provérbios 12.25 (versão ARA): A ansiedade no coração do homem o abate. No entanto, mais à frente, completa: Mas a boa palavra o alegra. Ela é a própria revelação da Palavra de Deus”.

Segundo a pastora, o remédio contra esse mal é a oração. Ela cita a passagem em Filipenses, capítulo 4, versículo 6, ressaltando que não devemos andar inquietos, mas deixar que nossas petições sejam conhecidas diante de Deus pelas orações e súplicas. “Quando alguém se volta para o Senhor e lança sobre Ele suas ansiedades, tem a segurança e a confiança necessárias para vencer a situação”.


7 Comments

  1. Franciele de Sousa Batista disse:

    “Jesus mudou a minha vida “através desse ministério aprendi que Jesus levou sobre si minhas enfermidades e eu não podia aceitar o que o diabo tava fazendo comigo , determinei minha libertação ,tomei posse da minha benção e hoje sou livre pra glória de Deus.
    Que Deus continue abençoando grandemente esse ministério. Eu louvo a Deus por ter colocado na minha vida pessoas maravilhosas desse ministério onde fui tão amada .Deus abençoe muitíssimo meus irmãos e todos da igreja Internacional da graça de Deus❤🙏

  2. Franciele de Sousa Batista disse:

    Eu louvo a Deus por esse ministério onde eu aprendi a usar a fé inteligente e não aceitar o que mal estava fazendo comigo .
    Hj tenho paz ,sou feliz porque tenho o Espírito Santo, tenho mansidão, tenho domínio próprio,paciência, “Jesus Cristo mudou a minha vida “

  3. Ester Oliveira disse:

    Um testemunho mais lindo que o outro, parabéns para a equipe!

  4. Ester Oliveira disse:

    Quando entregamos os nossos problemas, e aquilo que nos aflige, nas mãos do Senhor e determinamos que somos mais do que vencedores por Cristo Jesus, o mal bate em retirada!! Um testemunho mais lindo que o outro, parabéns e sucesso para a equipe e que o jornal evangelize cada vez mais almas para o Reino!

  5. Gabriela Matos disse:

    Adorei essa publicação, muito necessária nesses tempos em que estamos vivemos. Estou aqui em Southampton, UK, mas acompanhando as notícias e publicações neste jornal. Que Deus continue os abençoando!

    • Ingrid Ferreira disse:

      Realmente muito relevante esta matéria! A ansieda é um mal que tem consumido muitos Brasileiros. Parabéns a todos pela matéria.

  6. Claudinha disse:

    Parabéns pela matéria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *