“Meu marido estava condenado à morte”
31 de julho de 2021
Corria risco de ficar cega
1 de setembro de 2021

Sustentava os vícios, mas faltava alimento em sua casa

Foto: Rodrigo Di Castro

Claudia Santos


Rosilene de Moraes Batista era muito jovem quando começou a beber e usar cocaína. “Eu ficava nas portas dos bares, incentivada pelos colegas. Logo me tornei dependente”.

Ela permaneceu assim durante 25 anos. Após seu casamento, a situação piorou. “Meu marido era alcoólatra, e foi ainda mais fácil me afundar. Eu gastava todo o meu salário com os vícios, e faltava até alimento no meu lar”.

Rosilene admite: era um mau exemplo para seus filhos. “Eles me viam embriagada nos bares onde eu ficava dançando. Também presenciavam quando eu levava amigos para minha residência, a fim de consumir cocaína comigo”.

Vergonha e humilhação

Quando estava sóbria, ela sofria por causa daquela situação. “Meus filhos pediam comida, e eu não tinha”, recorda-se ela, acrescentando: “Certa vez, eu estava na casa de um vizinho bebendo, e um dos meus pequenos foi pedir dinheiro de passagem. Senti muita vergonha, pois estava totalmente alcoolizada”. 

Sem forças para abandonar tal comportamento aprisionador, Rosilene sentiu o desejo de visitar a Igreja da Graça, mesmo tendo bebido e usado drogas. Começava ali sua transformação. “Foram dias difíceis, no entanto aprendi a determinar até ser liberta. Deus me guiou na direção certa, e meu marido também foi salvo”.


2 Comments

  1. Davi Almeida disse:

    Os vícios são um dos maiores problemas da humanidade. Só Deus mesmo pode mudar essas histórias…

  2. Rogério Ferraz da Silva disse:

    É lindo poder acompanhar de perto o que Deus tem feito na vida desta irmã …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *