Crises de asma nunca mais!
18 de outubro de 2021
Palavra Amiga
1 de novembro de 2021

Açúcar, acerte na medida

Foto: PixaBay

É difícil parar de comer doce? Existem opções e formas de adoçar a vida sem comprometer a saúde


Amanda Pieranti


Ah, o açúcar… Quanta força ele exerce sobre nós! E, para muitas pessoas, em situações de tristeza, depressão, ansiedade e estresse, ele ganha até um sabor especial, sendo consumido como uma espécie de “consolo”.

“O açúcar mexe com nossos neurotransmissores, e um deles é a serotonina, responsável pela sensação de bem-estar, alegria e satisfação”, explica a nutricionista Tatiana Albina.

A pandemia de covid-19 confirmou o doce como um aliado para enfrentar momentos de grande tensão emocional. A Pesquisa ConVid, realizada em 2020 pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), revelou: dos jovens adultos, na faixa etária de 18 a 29 anos, 63% estão consumindo chocolates e outras guloseimas em dois dias ou mais por semana.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o tolerável seria a ingestão do açúcar refinado entre 5% e 10% do total das calorias consumidas em um dia inteiro, o que dá, em média, 25g ou 6 colheres de chá.

De mocinho a vilão

Aparentemente inofensivo, o açúcar branco tem seus efeitos refletidos na balança, com o aumento de peso, e no desenvolvimento de doenças, principalmente a diabetes.

De acordo com a especialista, ele é muito rápido de ser absorvido e, quando chega ao nosso sangue, estimula a glicemia e a produção de insulina, hormônio que engorda. “Esse aumento tem relação com obesidade, risco de diabete, gordura no fígado e triglicerídeos aumentados, o que eleva o risco de doença cardiovascular”, explica Tatiana.

Especializada em Terapia Nutricional, ela destaca outro problema causado pelo consumo dessa substância: a dependência. “Chega a ser similar a uma droga. Quanto mais como açúcar, mais dependente me torno.”

Tatiana Albina – Foto: Arquivo pessoal

Do ponto de vista nutricional, Tatiana alerta: “O açúcar de mesa é totalmente dispensável, pois é para uso eventual. Nosso corpo precisa de carboidrato, mas não vindo de um simples, de caloria vazia, como o refinado. As fontes mais nutritivas são a batata-doce, o arroz integral e as frutas”.

Cuidado com o cafezinho adoçado!

O cafezinho adoçado deve ser consumido com cautela – Foto: Pixabay

O consumo de cafezinho também deve ser motivo de atenção. “O brasileiro gosta de consumir várias xícaras ao longo do dia. Isso piora quando ele é adoçado. Com esse hábito, a pessoa acaba ingerindo bastante açúcar. Sem perceber, está estimulando picos de insulina, hormônio relacionado à obesidade, fazendo a pessoa engordar.”

Opções ao açúcar tradicional

E aqui está a melhor notícia para quem não consegue evitar o doce: existem alternativas agradáveis ao paladar e mais saudáveis. O açúcar do coco, extraído da seiva das flores da palma da fruta, já é bem utilizado no continente asiático.

Segundo a nutricionista, esse alimento tem sido recomendado em substituição ao tradicional, pelo fato de ser natural. “Ele é nutritivo, tem vitamina do complexo B, ferro, zinco, potássio. E a maior vantagem dele é o baixo índice glicêmico, não aumentando tão rápido a glicose.”

Outra opção é o mascavo, um tipo mais puro, pois é menos submetido ao refinamento, conservando suas propriedades nutricionais. “Possui minerais, como cálcio, magnésio, potássio e fósforo.” O sabor se assemelha ao caldo de cana e, apesar do tom escuro, pode ser usado como açúcar de mesa ou no preparo de doces, bolos e biscoitos.

De cor marrom clara, o açúcar demerara é um pouco mais refinado que o mascavo. “Mas os nutrientes ainda são preservados. De paladar mais suave, a aceitação é melhor.” Também é recomendado para o preparo de algumas receitas e adoça bem as bebidas. “Porém, apesar de apresentarem vitaminas e minerais, essas três opções de açúcar precisam ser consumidas moderadamente. Afinal, são fontes de glicose, e, principalmente, os diabéticos devem evitar”, observa Tatiana.

Açúcar mascavo – Foto: Pixabay

Mitos e verdades

Consumir açúcar causa diabetes

Mito. Depende de fatores de risco para a doença, como a história familiar (predisposição) e estilo de vida (sedentarismo e má alimentação).

Torna a criança hiperativa

Mito.

Provoca câncer

Verdade, se consumido em excesso. Tem relação com o tumor maligno de intestino e com a obesidade, que está relacionada com vários tipos de câncer feminino: de mama, colo de útero e ovário.

É viciante

Verdade.        

Melhora o humor?

Verdade. Porém, esse efeito é momentâneo. Ao se tornar um hábito, causa dependência, e a pessoa vai necessitar de doses cada vez maiores para manter esse estado de humor.

Engorda

Verdade. O açúcar branco tem caloria vazia.

Paçoca caseira saudável

(Enviada pela nutricionista Tatiana Albina)

Ingredientes

  • 250g de amendoim torrado, sem casca e sem sal
  • 100g de farelo de aveia
  • 1 colher de sopa de manteiga sem sal, ou óleo de coco
  • 2 colheres de sopa de açúcar do coco
  • Sal a gosto

Modo de preparo

Coloque todos os ingredientes em um processador (ou liquidificador) e bata a mistura até ficar homogênea. Retire a massa, molde-a e sirva a paçoca em pequenas porções.


1 Comment

  1. Luzia Albina De Souza disse:

    Adorei a matéria e dica sobre a vontade do Doce. hiper esclarecido …pois tenho esse problema .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *